Então até daqui a cento e uns quantos anos, sim?

Acordo com o rádio (cedíssimo!) ao som da embalante voz do nosso Presidente da República, discursando acerca das eleições, usando não o já cansativo "votar, mais que um direito, é um dever" mas sim o novo - pelo menos para mim - "votar, mais que um dever, é uma obrigação!".
Mas quanto tempo mais vai durar esta história das pessoas que andaram a lutar para eu ter voto na matéria? Quanto sangue mais verterá dos meus antepassados? Quanto tempo mais levará esta psicologia chata e barata?
Imagino que daqui a cem anos ainda estará o Presidente de então a apelar à ida à urnas como uma invocação do que se passou século e um quarto de anos atrás.
Imagino que por essa altura a abstenção dará pena de cadeia...


Adenda (do dia seguinte): Está visto que continuo a pensar que estou nos anos 90 ao "achar" que o 25 de Abril foi há 25 anos...

22 comentários:

Gingerbread Girl disse...

Devia de dar... -.-'

Catsone disse...

No Brasil dá...

Cirrus disse...

Execução sumária, tipo Judge Dread!!!

As pessoas ainda não compreenderam uma coisa, que no fundo, é básica: vivemos em democracia. Eu votei, não sei se tu votaste ou não. Não interessa. A abstenção é tão legítima como o voto. Aliás, dos 40% de abstencionistas, 35% são mortos!! Também querem que esses vão votar?? Não sabem que os presidentes de Junta ganham conforme o nº de inscritos???

Crentes!!!

13 disse...

Ginger,
isso é a típica Ginger ou é a cidadã a falar?

PS: Parece que ficaram sem um dinossauro para esses lados... ;)

13 disse...

Catsone,
concordas com tal? Ou é só uma referência - a qual desconhecia e agradeço a informação?

13 disse...

Cirrus,
votei pois, daí até sentir ter uma certa "legitimidade" para falar sobre isto, se bem que como dizes e bem, isto é uma democracia, o que me daria todo o direito de falar nisto na mesma.

Moyle disse...

quem não quer ir votar que não vá, é simples. no entanto, a quem vai devia ser dado um recibo de voto e os outros, que não foram, devia levar bordoada, legalmente, note-se, de cada vez que abrissem a boca sobre política, o estado do país, etc., etc., etc.

Gingerbread Girl disse...

São ambas a falar. =|

E ficamos sim... ^^ Uma dinossaura, mais precisamente. :p


*

E... concordo 100% com a Moyle.

13 disse...

Moyle,
exacto, simples. Mas a questão do dever e direitos e obrigações já chateia.
Os que falam - a maioria - são precismente os que se baldam no seu dia-a-dia. É observares bem e percebe-se quem faz e quem não faz... E para esses estou-me borrifando!

13 disse...

Ginger,

é um Moyle, não uma... :D

Moyle disse...

Rapariga de Bolo de Gengibre [apesar da tradução mais literal ser pão, parece-me que a mais adequada é bolo],

é O Moyle :D

Pronúncia disse...

Voto no Moyle... está coberto de razão! :)

Ácido Cloridrix HCL disse...

Pois é amigo,,, no Brasil, por exemplo é obrigatório votar, senão,,,,,,,,, senão multa, acho eu, e dificuldades em obter o passaporte e outras quantas!!! No entanto, e apesar de eu estar fora e não poder votar, por enquanto, acho que também o facto de não votarmos será um modo de nos exprimirmos ou de demonstrarmos o nosso descontentamento com a "panelice", não digo "paneleirice" atenção, que impera pela nossa politica!!! Estando presente preferiria usar do meu direito ao voto "nulo" e desenhar um grandessimo mangalho no boletim de voto!!!!
Espero bem que este estado de espírito se altere e num futuro o acto de votar se torne, não só numa "obrigação" civica mas também num prazer de saber exactamente em quem votar!!! Um abraço e sejas benvindo tb ao sexo humor prazer, HCL

Cirrus disse...

Já agora, podemos obrigar todos a votar no mesmo partido, senão bordoada!! Ou então, obrigar a escrever a cruzinha, nada de brancos nem nulos, senão, bordoada!! E por que razão ainda ninguém se lembrou de dar bordoada nos deputados que se abstêm na Assembleia? Ah, pois, esqueci-me! Em democracia, a abstenção é permitida por lei e expressa um voto nulo.

Mas é preciso é bordoada, para voltarmos à democracia de antigamente!

Catsone disse...

Não concordo com a prisão mas sou tentado a concordar com a obrigatoriedade. Se a tropa foi obrigatória o voto tb deveria...

13 disse...

Pronúncia,

referes-te à segunda parte, certo? A parte dos que não votam não poderem falar de política.

13 disse...

Ácido,
bem-vinda :)
Obrigatório porquê, já agora?
E essa da multa e passaporte... Afinal temos muita coisa em comum que não só a língua.

13 disse...

Cirrus,
mai nada! :D
E os deputados sim, era à paulada! Esses nem precisam da obrigatoriedade, deviam ser munidos de uma coisa chamada moral, mas pelos vistos é coisa que não abunda. Pudera, com a forma como todos eles festejam as vitórias. Está explicado parte da efusividade...

13 disse...

Catsone,
a tropa FOI, como bem dizes. Mas qual o sentido de obrigar alguém a votar? Será que quando os votos em branco realmente contarem se pense em obrigar as pessoas a votar obrigatoriamente num partido?

Catsone disse...

13, ficávamos aqui até ao comment 500 a tentar esgrimir argumentos, mas é o meu ponto de vista e compreendo o teu ;)
É uma questão que volta sempre nestas alturas e para a qual nunca teremos consenso.
Fica bem.

13 disse...

Catsone,
naturalmente. Fica bem também :)

tronxa disse...

aos poucos a democracia vai ficando confinada a meia duzia de actos que nos deixam, para termos a sensaçao de liberdade e tal...

o facto de podermos votar ou não, faz parte da tal democracia que todos os dias tanto paregoam, mas que todos os dias nos tiram mais um naco.

Ainda hei-de assistir a essa estupidez do voto obrigatorio e quiçá a um "ensaio sobre a lucidez" ao vivo!

bjnhssss

(eu avisei que havia de passar com mais tempo!)