D. José Saraiva Martins, parte 2

A homossexualidade não é normal no sentido de que a Bíblia diz que quando Deus criou o ser humano, criou o homem e a mulher. É o texto literal da Bíblia, portanto esse é o princípio sempre professado pela igreja”.

Hum... Assim de repente ocorre-me a Inquisição. É algo que não consta da Biblia e no entanto não deixou de existir. E não deixaram de enriquecer à custa disso.

É um tanto extremista, sem dúvida. E podem dizer que é algo que já há muito foi censurado. Certo! Mas assim sendo, quem me diz que no futuro também à distância de hoje para o tempo da Inquisição, não condenarão e censurarão a recusa dos mesmos direitos para estas pessoas “não normais”? Não serão, acima de tudo, seres humanos e filhos de Deus?

Mas se vamos pela Biblia, porque não explorar a Natureza animal? Não pode nem deve haver comparações, mas se querem discursos literais... Até porque se Deus criou o homem e a mulher, também foi Ele quem criou a restante vida na Natureza. Ou não?

E já que se fala nos textos da Bíblia, creio também que fala em amar o próximo e não em amar o próximo miudo que lhes aprouver... Mais uma vez extremista. Além de desnecessário, eu sei.
Sim, claro, os senhores que prevaricaram por essa via não são normais. Têm problemas mentais. Claro!

E por falar em crianças... O Cardeal afirmou que “quando se juntam dois homossexuais, eles ou elas, se há crianças, evidentemente, aquela união, aquele casamento, não pode providenciar a formação das crianças” porque “uma criança para ser formada normalmente precisa de um pai e de uma mãe. E não de dois pais ou de duas mães”. Lançado na sua brilhante análise de “pedo-psicólogo” concluiu que “a educação daquelas crianças não pode ser uma formação normal se não forem formadas por um pai e uma mãe. Não por dois pais ou duas mães”.

Então presumo que seja providenciada uma óptima formação pelos homens que batem nas mulheres na presença dos filhos. Pais que discutem violentamente em frente às crianças. Ou que abusam física e/ou psicologicamente dos filhos. Pelo menos nunca os vi (ou estava distarído) a condenarem tais actos.

É que aqui volta-se à questão do ser ou não normal, ter ou não problemas psicológicos.

E já agora, porque não condenar os pais que não partilham tarefas? Estão a dar um mau exemplo aos filhos, ou não? E condenar os pais que têm que ter 2 empregos para serem capazes de sustentar o ambiente familiar que nem têm tempo para dar uma formação dita “normal”? E os casamentos forçados pela cultura cigana, em que os filhos já estão casados muito antes de saberem ler, escrever ou pensar? Ou seria isso xenófobo?

E porque não proibir pessoas com doenças crónicas de terem filhos? Ou retirar os menores a pessoas com doenças terminais?

Vamos proibir esta gente toda de ter filhos. Aí resolve-se o problema do desemprego a médio/longo prazo...

Para finalizar há só a retirar a "falta de uma formação normal na ausência de um pai e uma mãe". Um pai E uma mãe. O que me leva desde logo a pensar que não pode ser dada uma formação normal havendo uma educação monoparental. Desculpem mas não pode ser por lapso ou esquecimento porque estas pessoas têm responsabilidades. E se foi por tal, mais vale ficarem calados.

As críticas são mais extremistas que o discurso que pretendem criticar. Sem dúvida! O propósito é mesmo esse. Gerar uma constatação óbvia de estupidez e de ridículo. Até porque é disso que se trata - Estupidez e Ridicularidade!

Eu não sou homossexual, se se chegaram a questionar. Nem sequer sou defensor da causa. Sou sim, defensor do ser humano e dos seus direitos. E defensor das diferenças e liberdades entre todos nós. A verdade é que não afecta minimamente a minha vida ou liberdade que haja CASAMENTOS entre pessoas do mesmo sexo. Têm tanto direito à felicidade como eu.
Quanto à educação, os psicólogos saberão melhor que eu e, ao que consta, não vêem qualquer inconveniente “nessa” educação. Portanto...

Juízo, meus senhores, e descansem essas cabeças. Não vale a pena.


DD

4 comentários:

A lés de Mim disse...

Haja coisas importantes para passar na TV, talvez deixem de permitir que alguns absorvam estas anormalidades (infelizmente normais)!!!

Que má escolha de palavras!!!

O que não acho normal é darem-lhe tempo de antena!

Tambem escrevi uma posta sobre o tema... telepatia...

Gingerbread Girl disse...

clap clap clap

Dá para ver pela forma como escreveste como o assunto te revolta :)

Concordo contigo.

E mais... acho que a Igreja católica com estas censuras todas apenas está a tentar travar o inevitável.
É como tentar travar a subida da maré com palinhas espetadas na areia. ;)


Bom post*


kiss*

Starrydots disse...

Estou 100% contigo.

A Igreja revolta-me desde que comecei a ter idade para perceber o que aquilo na realidade é. Cambada de hipócritas, chupistas e falsos.
Fico escandalizada por ainda se dar tempo de antena a mentes retrógadas que falam como se o cristianismo fosse a nossa Constituição. O estado é laico.

O direito mais básico de uma criança é o de ser amada PONTO

Já tomei conhecimento de demasiados casais violentos e que usam os filhos como moeda de troca ou castigo em casos de separação.

Conheço um casal homosexual que está a tentar por outras vias ter uma criança porque o direito à adopção não lhes foi dado. Uma das duas ter de deixar de fumar, beber um copo de vinho de vez em quando, fazer mais exercício do que gostaria... Gastarem rios de dinheiro em inseminações artifíciais e esperar que desta vez pegue.

Não é justo.

O que os psicólogos dizem sobre o caso específico de pais/mães homosexuais é que basta haver uma presença forte de uma pessoa do sexo oposto na vida da criança.
Não é a orientação sexual que determina o carácter de uma criança ou adulto.

Dark Moon disse...

Subscrevo as tuas palavras.
Acho que explicam muito bem o que penso em relação a este assunto.

Enfim, triste, muito triste...

Beijos,
Dark Moon