Falar em terramotos transporta-me sempre para as mulheres, principalmente as mulheres com franja* (é um facto, as mulheres provocam-me palpitações arteriais).


Um assunto que sempre me intrigou é o que querem as mulheres? Não são questões típicas do cromo troglodita que segue a manada masculina ao dizer que só querem ser maltratadas. Nada disso. Mais que curiosidade, é o fascínio pela espécie feminina que me move.


Observo desde há muito a contradição de quem procura "o" amor. Aparentemente todas querem o mesmo - serem bem tratadas, respeitadas, serem vistas como a outra metade ou, como eu gosto de encarar as relações, como companheiras (compinchas), um mínimo de inteligência, sentido de humor, sensualidade e claro, porque os olhos também comem, alguma beleza - mas acabam sempre por errar ou serem "iludidas".


O mais interessante é que circulo pela blogosfera (não, Princesa, tu não estás incluida neste pacote, és um caso à parte) e na socialização do dia-a-dia o que retiro daí é que a grande maioria tem em mãos a fómula mágica para uma relação funcionar. Toda a gente sabe o que fazer, como agradar ao próximo mas ao mesmo tempo que parecem saber do que falam, é também claro que não conseguem encontrar o "tal". E o que mais me arrelia são as legiões de "fãs" que corroboram as opiniões das autoras.
Se fizesse um apanhado estatístico, seria obrigado a concuir que só há para aí uns 2 ou 3% de gajos com valor.


Acho que um dos problemas é acharem que podem mudar a outra pessoa. Não seria mais inteligente e menos dispendioso - energicamente falando - concentrarem-se naqueles que não precisam de grandes arranjos?
É que começo a acreditar que é por uma questão de desafio de perpétua impossibilidade e de prazer crónico de dor e mágoa...


O que é que querem, realmente, as mulheres?

12 comentários:

Cirrus disse...

Estás a ser lírico... 2 ou 3% dos gajos aproveitam-se???

Para elas, será por aí à volta dos 0,02, no máximo 0,025% dos homens que prestam. Então na blogosfera, penso que é raro ver autoras de blogs que já não tenham sido "iludidas". Esquecem-se de que valem muito pouco... O valor atrai-se mutuamente. Se não o encontram, é porque também não são aquela coisa... Mas como vivem entre NY, Paris e Londres e têm sexo aos montes, dá para disfarçar...

Moyle disse...

as mulheres começam a mudar-te desde o primeiro momento em que te conhecem, depois queixam-se de que já não és o mesmo gajo por quem elas se apaixonaram.

AHAHAHA. é de ir às lágrimas.

a média deve ser um bocadito superior porque eu tenho quase 2m de altura :)

Pronúncia disse...

E sai agora a primeira opinião feminina a este post.

No fundo, no fundo, sejam homens ou mulheres todos queremos a mesma coisa... ser felizes! (digo eu...)

Fórmulas para as relações funcionarem não tenho. Mas a "mézinha" que uso todos os dias parece dar resultado... tem funcionado bem já há uns anitos! ;)

Ninguém muda ninguém, ou aceitamos o outro como ele é ou não há fórmula que resista. Cada indivíduo, seja homem ou mulher, é um ser único, com qualidades e defeitos, e quando dois se juntam, nunca serão um só... podem até compartilhar muita coisa (é bom que o façam), mas nunca deixarão de ter a sua própria individualidade, cumpre a cada um respeitar a do outro e aceitá-la (desde que não colida com a integridade própria).

E agora, vem a minha parte do contra.

Não me incluo na tua "maioria" que considera que apenas 2 ou 3% dos gajos tem valor.
Antes pelo contrário, a maior parte dos meus amigos são homens.
O meu grupo restrito de amigos (os meus melhores amigos se quiseres), aqueles a quem chamo AMIGOS (a letra maiúscula é propositada) são 5 meninos do melhor que existe... como vês há por aí muito homem com valor...

E por último, que este comentário já virou testamento, que raio de blogues femininos andas tu a ler?! ;D

Maya disse...

Querido Noya,

Sempre me chateou as mulheres que me dizem que os homens são todos iguais, uns pulhas, sacanas, que não há homens em condições e por aí adiante. Não compreendo este tipo de conversa. Assim como não compreendo o discurso 'as mulheres são melhores que os homens ou que os homens são melhores que as mulheres. Não compreendo a conversa 'homens e mulheres buscam objectivos diferentes numa relação ...'. Não buscam. O que corre mal então? Porque é que tantas relações fracassam? Não fracassam assim tanto. Tudo tem um prazo de validade. Até a vida tem um prazo de validade. O erro das relações (das pessoas) é pensar que são eternas, que serão sempre como as idealizaram. Não são. As pessoas mudam - têm de mudar e também as relações são feitas de ciclos. Transformam-se. Os intervenientes é que não terão capacidade para se adaptar à transformação... A transformação/renovação é necessária, caso contrário estagna. Muitos, aos não conseguirem adaptar-se, desistem.

E, depois temos a ilusão. É tramada, esta fdp. Há a ilusão de que amamos (quando não amamos, mas apenas porque queremos amar à viva força). Há a ilusão de que amamos, porque o outro nos ama a nós ...

E depois, temos a sorte, o timing.
Podes ter a sorte de encontrar os 'amores' da tua vida, ou não ...

E depois temos o esforço, ou ausência de. O amor não é apenas magia. sim, sim, também é esforço. Ou estás na disposição de te esforçares ou não.

E vou acabar por aqui ...

(nem vou falar na honestidade) :)

Cirrus disse...

Só um aparte ao que disse a Pronúncia: Eu não penso que todos queiramos ser felizes. Conheço algumas meninas que têm um prazer enorme em serem infelizes ao ponto do admiravelmente miseráveis. São as vítimas do costume...

Pronúncia disse...

Só um aparte ao aparte do Cirrus.

Também há homens assim e não apenas mulheres.
Mas esses, são aqueles que eu enquadro na categoria "são felizes na sua infelicidade constante"

Jane Doe disse...

Oh, é tudo conversas da treta, claro.

Eheheheh

O que querem as mulheres? Boa pergunta...

Não te sei responder.

Acho que muitas não sabem, mas também não serei eu que lhes vou dizer. Já tenho trabalhos comigo mesma, agora mais as outras.

Há muita coisa sobrevalorizada na sociedade. O homem ideal, e o conceito de felicidade são duas dessas coisas.

Enfim.

Ah já agora... Terramotos? Mulheres com franja? Explica lá isso...

Noya disse...

Cirrus,
é o meu optimismo. Eu como estou fora desses 2, 3% especulei... :)

Noya disse...

Moyle,
sei as discussões que tive com uma por aceitar uma coisa antes da relação e não aceitar durante a mesma.

Os homens também são um bocado assim. Menos - claramente menos -, mas ainda assim também fazem das suas...

Noya disse...

Pronúncia,
se fosses dessas que se nota à distância que parentam saber tudo e que se acham acima da média por esta altura já nem tinhas comentários meus lá. Nota-se bem que tipo de pessoa és :)

Curioso que a maioria das minhas amigas (não são assim tantas) dizem preferir os homens como amigos.

São blogues de passagens temporárias... :)
É estares atenta a quem escreve sobre isso e controlar os comentários...

Noya disse...

Maya,
eu detesto a da "as mulheres são todas iguais". E sim, acredito que vocês (no geral) são seres superiores. Pelo menos em relação a mim. Se quisessem dominavam isto tudo! :)

Minha cara, terás tu dado continuidade aos teus últimos posts neste comentário. Estarás a dar mais umas definições de amor?
Sabes mais do que queres dar a entender... ;)

As pessoas mudam constantemente e sim, é preciso uma grande bagagem (ou mente aberta) para acompanhar essa evolução.
Só há uma coisa que discordo. Pode ser para sempre. Eu (ainda) acredito nisso. É necessário é muita cumplicidade e esforço ( claro!), compromisso e muita honestidade.
Interessante...

A magia não vem nos momentos latos de paixão. Acho, sinceramente, que a magia vem depois.

Noya disse...

Jane,
eu sei que não há bolo de bolacha, mas não quer isso dizer que não possas dizer o que querem... :)

É à conta da tal felicidade que se pensa ser uma meta a atingir que tantos são os que mais facilmente partem para outra (não quer isto dizer que não há quem perceba que está com a pessoa errada, nada disso!).