Eu trabalho para burro. Feito parvo. Mas sempre por prazer. Chego sempre a horas. Aliás, chego sempre antes da hora. E fico sempre para lá da mesma. Por prazer. Sem reclamar. Sou altruísta e todo eu estou impregnado do espírito de equipa, nunca sobrecarregando nem deixando tarefas para os meus colegas. Gosto da "loura" que tenho a certeza absoluta que passa aquele tempo todo no escritório do chefe para discutir estratégias para a empresa. Só pode ser isso. Trabalho prazenteira e diligentemente pelo meu chefe. Nunca lhe critíco as opções e muito menos falo mal dele pelas costas. Adoro-o. Mais, só mesmo o meu patrão. Não gasto nem me aproveito de qualquer recurso da empresa. Não faço pausas prolongadas e muito menos constantes para o cigarro nem para o café. E a hora do almoço é sempre "despachada" em meia-hora (20 minutos se se contar os 5 para cada viagem). Sou um trabalhador exemplar - tal como todos os meus colegas - e só penso mesmo no sucesso da empresa. E falar é coisa que nunca faço no horário de expediente. Falar é para quem tem tempo. Preguiçosos! Isto é um trabalho, não é um emprego! Por isso é que o país está como está. Sou um injustiçado crónico. Farto-me de trabalhar e não sou recompensado. Ganho mal, para aquilo que produzo, para aquilo pelo qual trabalho para burro. Feito parvo. Mas sempre por prazer...

5 comentários:

Cirrus disse...

Estás a querer testar o pessoal, é? Ou agitar as águas?

Moyle disse...

Nabo...

Noya disse...

Cirrus,
agitar, sempre :)

Noya disse...

Moyle,
não tanto mas quase.

Pronúncia disse...

Noya, em modo irónico :D