E de um passei para o outro, onde os comentários seguiram apenas uma direcção - a da sua autora.

Algo no título do post me alertou para aquele sítio.
Reza a história (contada por ela) que ele se fartou dela por andar a "brincar" com ele mas que já estava novamente "mansinho", arrependido do passo dado.
Tudo isto contado com um orgulho desmedido de quem não se preocupava muito com a situação.

Não estou a acusar nem a defender. Se há coisa contra a qual nunca fui crítico é se uma mulher escolhe divertir-se, sem compromissos, com quem e quantas vezes pretender. Se um homem é admirado pela quantidade de engates, porque deve ser uma mulher ostracizada?

Mas como para se ter opiniões - e cada um as tem - é preciso analisar de vários ângulos e foi aí que se verificou o mais interessante... Já lhe tinham feito o mesmo. Mais do que o desejado, assim terá dado a entender.
Não interessante por isto ser uma espécie de vingança. Interessante pela parte dos comentários.

Se no primeiro caso ninguém lhe apontou o dedo ou a criticaram, já neste último caso o gajo (que a "maltratou") foi apelidado de "idiota", "anormal" e "m***oso".

Cada um(a) sabe de si, é um facto.
E cada um tem o seu espaço para escrever o que bem lhe apetecer. Nada mais verdadeiro.
Mas estas são pessoas comuns. São pessoas do dia-a-dia. E mais que isso, são pessoas que se queixam de algo que está somente nas mãos delas resolverem. E se há coisa que não aprendi através de ninguém (foi por mim mesmo) é que quem se queixa e nada faz não merece a mão no ombro.

Pensem bem...
Se alguém vos faz sofrer é porque vos ama?
Que gozo vos pode dar uma pessoa que está e não está?
Quem é que não quer ser bem tratado? É chato? Quem sou eu para julgar...

Das duas uma: Ou falam e mudam (coisa que duvido) ou não mudam e cada um à sua vida.
A alternativa é continuarem lá. E continuarem a queixar-se.
Mas o que é que isso diz a vosso respeito?

Uma coisa é certa (caso a relação acabe por acabar): Ao descartarem o inevitável vão deixar arrastar, terminando mais tarde que o devido (e muitas vezes esse tempo perdido não é recuperado), magoando-se ainda mais. E quando partem para outra relação sabem o que acontece, não sabem?

Lutem por alguém que vos merece ou partam para quem vos merece.
Com isto é sempre importante saber-se o que se quer. E isso, claro está, é com cada um(a).


Posto isto, chego à...

4 comentários:

Moyle disse...

ui, que tragédia grega. só falta morrer alguém. eu espero, não há stress :)

Pronúncia disse...

Mas a QUEIXA não é o desporto nacional com maior número de federados?!...

Queixar é sempre mais fácil que resolver... basta falar em vez de agir!

mf disse...

É muito difícil pegar em si mesma e partir para a luta, i.e., mudar o que tem de ser mudado para não se cair mais no mesmo. Como é difícil, porque implica enfrentar o que não se quer enfrentar (o que está dentro), muitas acabam por fazer o mais fácil: carpir a mágoa ao vivo ou em blogs, esperando que alguém, sem conhecimento do visado, o insulte 'como ele merece' (pensam elas).

1- Há homens assim também.
2- Quem insiste e cai 2,3,4,5 vezes no mesmo tipo de relação devia olhar para dentro de si (o problema começa aí, de certeza).
3- Quem está mal, o melhor que tem a fazer é ir tratar a cabeça para não ficar toda a vida com uma algema no pé que prende à mágoa.

Dito isto, "lutem por alguém que vos merece ou partam para quem vos merece." Muito bem dito, Noya... ;)

Gingerbread Girl disse...

Uma coisa que me faz uma tremenda confusão, é escarrapachar assim a vida íntima para centenas (milhares) de pessoas... publicamente, ali, para quem quiser ler e opinar. Acho algo doentio.

Mas quem sou eu para falar em doentio?!? :p

HAHAHAHAH