O enriquecimento, de preferência de forma rápida - bem à moda desta nova era -, é algo que já me ocupa o tempo há muito (não és só tu a querer ser rica...). Tempo a pensar, não a trabalhar para tal, obviamente.
Como toda a gente sabe, nesta altura a única forma de alcançar alguma coisa é pensar e criar algo totalmente diferente e creio que cheguei à minha resolução (ou solução) para alcançar a qualidade financeira.

E quem diz que os telejornais são inúteis e portadores de más e deprimentes notícias? Alguém o disse. E com razão. O que não impede que não retire nada de proveitoso daí.
Há aquela excelente forma de enriquecer facilmente. A tal que a Pronúncia tão bem explanou. Há o pequeno senão de ter que se ter alguma alavancagem monetária para tentar/poder corromper. Mas nada que um desses créditos fáceis de obter que por aí polulam nas tvs e jornais não possibilitem...

E há umas interessantes, de empresas de construção que abrem falência e já não podem ser processadas por enganarem os compradores ou a da rede que adquiria carros acidentados (subscrevendo o seguro contra todos os riscos) e que em seguida se simulava um acidente rodoviário e se reclamava o valor comercial dos veículos.

Mas eu cheguei à minha resolução, sem recorrer a "franchises". Bem sei que isto da crise é complicado e eles nem receberam (nem receberão tão cedo) aumento salarial, mas ainda assim acredito que o negócio tem pernas para andar.
O negócio do futuro é, definitivamente, a venda de "serviços" aos professores para "tratar" dos alunos que os violentem, fisica ou psicologicamente. E quem tiver vontade de dar uma lição aos paizinhos também pode. É só pedir. E pagar.
É para aí que eu vou!

"Ah, mas agora o estatuto do estudante vai ser alterado...".
E?
As reguadas e as lombadas vão voltar? Não me parece.
Os alunos passarão a ver os professores como uma autoridade ou exemplo? Menos me parece.
O sistema de avaliação vai voltar atrás? Vai voltar a ter exigências qualitativas? Só podem estar sonhar...

Vou ser rico! Essa é que é essa.
E vou fugir aos impostos. Presumo que a adrenalina dispare ao declarar rendimento mínimo quando na realidade se ganha mil vezes mais...

8 comentários:

Moyle disse...

mão de obra, precisas? mas em sociedade, claro :)

Maya disse...

Eu estou numa mais de 'serviços - dar cabo do canastro a padres pedófilos'. Seria trabalho pro bono ... estás a ver? Eu sei, eu sei. Sou surpreendente.

Pronúncia disse...

Se precisares de uma sócia avisa... também quero ser rica! :)

LBJ disse...

Não percebi o esquema... Isso funciona em piramide ou sai sempre a quem investe? :)

Abraço

Noya disse...

Moyle,
ainda perguntas? Claro que sim! E em sociedade, claro! Até porque não tenho dúvidas que vai ter imensa procura e não terei braços a medir.

Noya disse...

Maya,
e já agora davas um jeito nos outros (pedófilos) também...

Surpresa? Nã...

Noya disse...

Pronúncia,
o que disse ao Moyle aplica-se a ti também. É gente espirituosa que a malta quer :)

Noya disse...

LBJ,
pirâmide não. Aqui não há hierarquias. E investimentos só mesmo de pancada.