Roger, o Grande!


Contemplava eu os meus últimos textos (mais uns quantos interrompidos por um intermédio) quando me apercebi que realmente só tenho falado de porcaria, de esgoto, de e sobre pessoas que merecem o seu lugar na História, mas na história com letra minúscula e na dos exemplos a tomar no sentido oposto.

Pois por falar em História foi precisamente isso que se verificou esta semana, mais concretamente este Domingo, que infelizmente só pude ver em diferido por motivos laborais e com conhecimento prévio - graças à malta que também de desporto gosta - do resultado final, quando o Grande (este sim com letras maiúsculas) Roger Federer finalmente venceu a tão almejada Taça dos Mosqueteiros - o troféu maior de Roland Garros -, tornando-se assim no 6º jogador a vencer todos os Grand Slams, juntando-se a Andre Agassi como os únicos a vencerem os 4 grandes mas em superfícies diferentes. Isto para além de ter igualado - e vai superar - o também Grande Pete Sampras.

E quando me refiro a Federer como Grande não é somente por ter batido recordes - por exemplo, alcançou a 20ª meia-final consecutiva em Grand Slams - ou por ser o jogador mais completo a nível técnico e o mais sublime jogador da História do ténis. Digo-o também por ser reconhecidamente uma pessoa de uma enorme simpatia, acessível e extremamente educado.
Já para não falar da forma como vive o ténis, embora isso não seja tão invulgar quando me lembro de ver um Agassi com 35 anos e feliz da vida com a expressão de um miúdo de 5 anos, para não falar de outros...

Diga-se o que se disser - que Rod Laver que não pôde jogar 25 torneios, que Börg abandonou a carreira aos 25 por iniciativa própria ou ainda que não foi contra Nadal - já ninguém lhe tira nem os títulos nem os recordes. Que venham mais!

Não sei como foram outros, mas fico grato por ter crescido a ver Sampras, Agassi e o evoluir da carreira de Federer.

Parabéns Royer (foi assim que ouvi os espanhóis a gritarem por ele cá o ano passado).

8 comentários:

Pronúncia disse...

Vi o fim do jogo enquanto almoçava!

Fiquei contente por ele, pelas mesmas razões que tu. Ao almoço falavamos disso mesmo, do quanto ele é simpático, simples e educado... nem parece suiço!

Mereceu e merece os títulos que tem ganho... faz e luta por isso :)

Treze disse...

Pronúncia:

(Pelo cruzamento de comentários noutros locais) Bela vida andas a levar, sim senhora :) Bem haja pelas férias :) Boa continuação.

Pronúncia disse...

Oh, pá! Também mereço, não?!

E já que não foi Viena, pelo menos Sintra nunca desilude... e espero que Viseu também não!

Obrigada! ;)

forteifeio disse...

Treze

É a diferença entre o vencedor e um campeão.

Federer é um campeão!

Pronúncia disse...

Forte (e Treze)... é isso mesmo! É a diferença entre um vencedor e um campeão!

Nunca me tinha ocorrido, e quando ouvi as declarações do Pinto da Costa ao ganhar a taça de Portugal, fiquei desgostosa, pois achei que aquilo em nada dignificava a vitória... antes pelo contrário! Repuguenou-me! A sério! E vocês sabem que eu adepta do FCP.

Hoje, resumiste numa palavra a diferença! É isso mesmo, Forte!

Pronúncia disse...

tem erros, mas agora não me interessa... que se lixe! vocês sabem o que eu queria escrever! sabem, não sabem?! ;D

Treze disse...

Pronúncia:

realmente pareces-me ser daquelas pessoas que merece (e faz por merecer).

Com um bocadinho de sorte e ter-nos-íamos cruzado (em Sintra).

E sim, deu para perceber o que querias dizer :)

Treze disse...

forteifeio:

Nem mais!